O ídolo do chamado

Jordan Raynor

Jordan Raynor

27 jun. de 2022

|

8 minutos de leitura

  • Jesus criador, carpinteiro, jardineiro e rei

O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. (Colossenses 1:15, 16)

Permitam-me iniciar minha meditação sobre a primeira aparição de Jesus à humanidade lá no início do tempo.

Essa passagem de Colossenses deixa bastante claro que Jesus – juntamente de Deus Pai e do Espírito Santo – estava presente na criação do mundo. Não apenas isso, mas todas as coisas foram criadas por meio de Cristo. Em outras palavras, Jesus é o Deus Criador que lemos em Gênesis 1:1: “No princípio, criou Deus (...).”

Antes que Deus falasse que ele é amor, antes que falasse que ele é santo, antes que falasse que ele é salvador, Deus queria que soubéssemos que ele é um Deus trabalhador, criativo e produtivo.

A história de um Deus que trabalha é bastante única na imensa lista de mitos criadores ao redor do mundo. Qualquer outra religião diz que os deuses criaram a humanidade para servir e trabalhar pra eles. Ninguém se atreveria a dizer que o próprio Deus trabalhou – muito menos ousaria introduziria esse fato logo no início da história.

Essa verdade carrega o significado supremo ao trabalho que realizamos ainda hoje. O trabalho não é algo sem sentido. O trabalho é algo central para entender quem Deus é e, portanto, é também central para entender quem nós somos como criaturas feitas à sua Imagem e Semelhança. Esse é um dos maiores significados da primeira revelação de Jesus Cristo.

E não é todo e qualquer trabalho que Deus realiza. Ele realiza um trabalho criativo – o trabalho de tomar riscos ao criar coisas novas para o bem do próximo. É o trabalho de empreendedores e artistas, contadores de histórias e executivos, marketeiros e mães. Esse é o tipo de trabalho que Jesus realizou, na sua segunda aparição na narrativa bíblica, quando ele nasceu na família de um carpinteiro.

  • O ídolo do chamado

E era toda a terra de uma mesma língua e de uma mesma fala. E aconteceu que, partindo eles do oriente, acharam um vale na terra de Sinar; e habitaram ali. E disseram uns aos outros: Eia, façamos tijolos e queimemo-los bem. E foi-lhes o tijolo por pedra, e o betume por cal. E disseram: Eia, edifiquemos nós uma cidade e uma torre cujo cume toque nos céus, e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra. Então desceu o Senhor para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam; E o Senhor disse: Eis que o povo é um, e todos têm uma mesma língua; e isto é o que começam a fazer; e agora, não haverá restrição para tudo o que eles intentarem fazer. Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro. Assim o Senhor os espalhou dali sobre a face de toda a terra; e cessaram de edificar a cidade. (Gênesis 11:1, 8)

Nesse devocional, estou defendendo a ideia de que o motivo pelo qual muitas pessoas estão descontentes com seus trabalho se dá pelo fato de que elas possuem uma perspectiva errada do trabalho, uma perspectiva não bíblica. Isso faz com que elas caiam em um de dois extremos: ou que não enxerguem significado algum em seus trabalhos, ou que vejam no trabalho o significado último da existência.

Acabamos de ver como as Escrituras desqualificam a ideia de que o trabalho não possui significado algum. Agora, pretendo lidar com o extremo oposto e, acredito, aquele que a grande maioria de nós está familiarizada: atribuir significado demais aos nossos trabalhos.

Na cultura ocidental moderna em que vivemos, temos elevado nossos trabalhos e nossos chamados ao status de um ídolo, onde esperamos que a carreira perfeita para nós ira nos providenciar a perfeita realização e satisfação em nossas vidas. Enquanto as gerações anteriores às nossas olhavam para a família, à Igreja ou até mesmo para o seu país como significantes, nós olhamos para a instituição do trabalho, aos nossos perfis no LinkedIn e em como responderemos àquela inevitável pergunta introdutória: “o que você faz?”

Se algum trabalho específico não nos causa o senso imediato de satisfação e traz a felicidade que esperamos, nós mudamos de trabalho, pulando de galho em galho, apenas para nos desapontarmos mais uma vez.

Por que permanecemos falhando em encontrar esse nível cósmico e satisfatório de felicidade em nossos trabalhos? Porque, ao mesmo tempo que Deus não criou o trabalho para que ele não seja algo sem significado em nossa existência, ele também não o criou para ser o significado último de nossas vidas.

Esse trecho de Gênesis é ótimo para o ponto em que quero chegar.


"Como podemos encontrar significado e alegria em nossos trabalhos sem olharmos para as nossas carreiras como a finalidade de nossas vidas e forma de satisfação última? A resposta está em Jesus Cristo."


Somos informados que os babilônios construíram uma torre, não com o intuito de adorar a Deus, mas de adorarem a si mesmos. Em Gênesis 11:4, lemos que um trabalhador babilônio diz o seguinte

(...) edifiquemos nós uma cidade e uma torre cujo cume toque nos céus, e façamo-nos um nome.

Não é suficiente, para os babilônios, trabalhar pela alegria do próprio trabalho. Eles esperavam que seus trabalhos trouxessem algo que não tinha relação nenhuma com a vontade de Deus. Isso soa familiar aos seus ouvidos? Deveria, pois esse é o mantra de nossa era moderna.

Em sua maravilhosa graça, Deus faz o trabalho dos babilônios chegar ao fim. Ainda que saibamos que ele não virá fisicamente – não ainda – até o seu escritório para fazer o mesmo com você, sabemos, no entanto, que ele deixou claro em sua Palavra que nossa missão de encontrar nosso télos em nossos trabalho é um erro extremamente tolo.

A Palavra de Deus nos diz claramente que não podemos esperar, nem significado algum, muito menos esperar todo o significado de nossas vidas em nossos trabalhos.

A Bíblia nos diz como nos movermos no meio desses espectro? Sim, ela mostra isso na pessoa de Jesus Cristo.

  • Jesus e o significado do trabalho

Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto. (João 14:6, 7)

Nesse devocional, busquei evidenciar o porque 9 entre 10 pessoas estão infelizes com os seus trabalhos. Isso acontece porque o sentido que atribuem aos seus trabalhos não é bíblico. Ou elas esperam muito deles, ou não esperam nada.

A Bíblia claramente desqualifica ambos os extremos, mas nos deixa com uma questão: qual é, segundo a Bíblia, o verdadeiro significado do trabalho? Como podemos encontrar significado e alegria em nossos trabalhos sem olharmos para as nossas carreiras como a finalidade de nossas vidas e forma de satisfação última? A resposta está em Jesus Cristo.

A Bíblia no da pouquíssimas informações sobre o que Jesus estava fazendo entre seus 12 e 30 anos. Uma das poucas informações que temos é que ele trabalhou como carpinteiro (veja o que está escrito em Marcos 6:3). Isso é impressionante! A única coisa que a Bíblia nos diz sobre o que Jesus fez por pouco mais da metade de sua vida, é também uma revelação de seu caráter trabalhador e criativo, assim como o de seu Pai celestial. Deus poderia ter feito com que Jesus fosse um sacerdote ou um Fariseu. No entanto, ele fez com que Jesus crescesse como um trabalhador, e um que cria novas coisas, assim como eu e você.

Nesse sentido, Jesus – a personificação de Deus – demonstrou aquilo que o Pai nos mostrou desde o começo dos tempos: o bom significado inerente ao trabalho.

Enquanto Jesus claramente celebra o significado do trabalho, ele também deixa claro que apenas uma coisa pode providenciar satisfação e significado último às nossas vidas: Ele mesmo. Em João 14:6, Jesus diz:

Eu sou o caminho, e a verdade e a vida.

Nós não somos aquilo que fazemos para viver. Por meio da fé em Jesus Cristo, somos adotados como filhas e filhos do Rei. É apenas quando conseguimos descansar nessa verdade que conseguiremos também parar de buscar significado em nosso trabalho ou em qualquer outra coisa. Será nesse momento que nós, como Jesus, poderemos enxergar os nossos trabalhos da maneira como Deus queria que fosse desde o início: uma ótima expressão de adoração, uma forma de glorifica-lo e um modo de amarmos o nosso próximo como a nós mesmos.

Chamados para criar: um convite bíblico para criar, inovar e arriscar

Jordan Raynor

Chamados para criar: um convite bíblico para criar, inovar e arriscar

R$24,90

Original: Original: Escrito por Jordan Raynor © Jordan Raynor. Website: https://jordanraynor.com/twbw/#meaning

© The Pilgrim. Website: thepilgrim.com.br. Todos os direitos reservados.

Tradução: Maurício Avoletta Júnior

O ponto de vista deste texto é de responsabilidade de seu(s) autor(es) e colaboradores direitos, não refletindo necessariamente a posição da Pilgrim ou de sua equipe de profissionais.


Jordan Raynor

Jordan Raynor

Jordan Raynor é um empreendedor e escritor best-seller. Ele também é presidente executivo da empresa Threshold 360 e foi cofundador da Citizinvestor.


Para aprofundar no tema

Produtos Relacionados


Continue lendo

Posts Relacionados

Devocional
Quando Deus nos dá mais do que podemos suportar Porque não queremos, irmãos, que ignoreis a tribulação que nos sobreveio na Ásia, pois que fomos sobremaneira agravados mais do que podíamos suportar, de modo tal que até da vida desesperamos. Mas já em nós mesmos tínhamos a sentença de morte, para que não confiássemos em nós, mas em Deus, que ressuscita os mortos (2 Coríntios 1:8, 9) Enquanto é absolutamente verdadeiro que Deus não nos deixará ser tentados acima do que podemos suportar (veja o que está escrito em 1 Coríntios 10:13), por outro lado, é absolutamente falso o clichê de que Deus não vai te dar mais do que você pode suportar. Essa não é uma verdade bíblica. Paulo fala claramente sobre isso em 2 Coríntios. Ele diz que as tribulações e pressões que vieram sobre eles na Ásia foram agravados mais do que eles podiam suportar. Mais tarde, nessa mesma carta à Igreja de Corinto, Paulo explica que algumas dessas tribulações foram como um espinho em sua carne (veja o que está escrito em 2 Coríntios 12:7). Por três vezes, Paulo orou a Deus para que tirasse dele esse “espinho”. Contudo, Deus disse não, pois “a minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (veja o que está escrito em 2 Coríntios 12:9). Em outras palavras, Não, Paulo. Não vou remover esse espinho. Terei maior gloria enquanto produzo resultados extraordinários através de vocês, independentemente de suas fraquezas. A Palavra de Deus leva Paulo a falar, Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte (2 Coríntios 12:10). Quais desafios você tem enfrentado hoje? Uma perda repentina de dinheiro? Um chefe problemático? Um “espinho na carne” que tem te impedido de engajar-se completamente no trabalho para o qual Deus te criou? Essas coisas podem ser maiores do que você pode suportar com as suas próprias forças e esse é o ponto! Que nossas fraquezas nos levem a uma maior confiança no Senhor. E que os outros vejam a grande glória de Deus enquanto ele opera através de nós e apesar das nossas inadequações.
Jordan Raynor
Jordan Raynor

Jordan Raynor

2 min
Fé e Trabalho
A primeira grande comissão: chamados para criar! E tomou o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar. (Gênesis 2:15) Aquilo que Deus criou “no princípio” é admirável. Contudo, há algo que é ainda mais admirável: aquilo que ele ainda não criou. Ele criou animais, mas não deu nome pra eles. Ele criou os oceanos, mas não os barcos. Ele criou as estrelar, mas não os telescópios para que outros se maravilhassem com a glória delas. É óbvio que Deus poderia ter criado todas essas coisas. No entanto, ele preferiu nos convidar para realizar esse trabalho com ele. A passagem de hoje nos auxilia a ver essa bela verdade. Antes de Deus colocar a humanidade no Jardim para “o lavrar e guardar”, ela nos diz que E toda a planta do campo que ainda não estava na terra (...) porque ainda o Senhor Deus não tinha feito chover sobre a terra, e não havia homem para lavrar a terra (Gênesis 2:5) Deus não tem nenhuma intenção de trabalhar sozinho. Ele sempre teve o desejo de que lavrássemos a terra – que tomássemos o quadro em branco que ele nos deixou “no princípio” e o preenchêssemos. Vemos isso explicitamente em Gênesis 1:27-28 que diz o seguinte: E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra. O pastor Timothy Keller diz que isso é um chamado à civilização, não apenas à procriação. É um chamado para criação cultural. Perceba que o sexto dia não foi o fim da criação. Foi apenas o início! É o momento em que Deus nos passa o bastão e nos chama para criar plantas, artes, telescópios, empreendimentos, cidades e famílias que refletem sua glória. Quando entendemos que esse chamado para criar foi a primeira grande comissão para a humanidade, veremos nosso trabalho como algo com propósito, entusiasmo e alegria, pois tudo foi ordenado por Deus.
Jordan Raynor
Jordan Raynor

Jordan Raynor

2 min
parte interna da Sagrada Familia
Fé e Trabalho
Sobre a falta de propósito da beleza da criação divina E o Senhor Deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida; e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal. (Gênesis 2:9) A maior igreja da Espanha, a Sagrada Família, foi construída ao longo de 135 anos. Por que? Porque há mais de um século atrás o arquiteto da igreja, Antoni Gaudi, trouxe planos concretos para construir uma casa de adoração que fosse graciosamente, insensatamente e excessivamente bela. Hoje em dia, a precificação anual dela sairia por cerca de 60 milhões de dólares - uma quantia que atrai diversas críticas de pessoas que não vêem sentido algum em uma arte desse tipo. Se Gaudi fosse vivo ainda, tenho certeza que ele mostraria Gênesis 2:9 para seus críticos. Assim, talvez, eles se lembrariam que o Deus que a Igreja adora é digno de toda essa beleza. Pense nisso: as árvores do Éden não precisavam ser belas. Elas já eram "boas para comida." Isso já não seria o suficiente? Evidentemente não, porque no início Deus criou tudo, não apenas com funcionalidade, mas também com uma beleza extravagante. Esse é um tema que perpassa todo o resto das Escrituras, do tabernáculo com uma beleza extremamente não prática (veja o que está ecrito em Êxodo 25-31) à Eterna Cidade de Deus (veja o que está escrito em Apocalipse 21). João nos conta que os portões da Nova Jerusalém são feitos de pérolas, que as ruas são feitas de ouro e que as portas são decoradas como todo tipo de pedra preciosa. Sabemos também que a cidade tinha 2.200 quilômetros de comprimento, de largura e de altura. Estamos falando de belas joias revestindo a fundação da Nova Jerusalém, que é gigante. Para vocês terem uma ideia, é o equivalente a distância entre a Flórida e a Grécia. Qual é o propósito dessa imensa quantidade de pedras? Acredito que propósito nenhum. Contudo, como o teólogo Gustavo Gutierrez nos lembra, "utilidade não é a razão primária para a ação de Deus." O que isso deve significar para nós? Deve significar que nem tudo o que fazemos precisa ser justificado por motivações funcionais. Está tudo bem recriar algum website, ainda que ele não gere mais conversões. Está tudo bem pintar um quadro e não vendê-lo. Está tudo bem decorar seu escritório no natal, mesmo que ninguém veja ou que você não consiga justificar o investimento. Criar apenas por ser algo belo é criar como se criássemos à Imagem de Deus. Horas antes de sua morte, Gaudi estava sainda d'A Sagrada Família quando ele se virou para um membro de sua equipe e falou, "Vicente, chegue mais cedo amanhã, assim poderemos criar coisas belas." Ouça essas palavras como se fossem ditas para você, crente. Vá e faça coisas belas assim como o seu Pai Celestial!
Jordan Raynor
Jordan Raynor

Jordan Raynor

3 min